O Natal da rua vizinha

O Natal da rua vizinha Gilda E. Kluppel   Todos os natais eram assim, as casas da rua vizinha decoradas para recebê-lo e o convidado sempre vinha. Nunca falhava. Entretanto, para ele, um menino de oito anos, o velhinho não aparecia. Em seu mundo, que ainda possuía espaço para fantasia, imagina que o Papai Noel é capaz de se multiplicar, para comparecer em variados lugares, … Continuar lendo O Natal da rua vizinha

Poema Fora de Moda

  Poema Fora de Moda Gilda E. Kluppel No vestuário comercial calças de boca de sino se despedem para em breve estarem novamente em voga no sapato o bico ora se alarga, ora se afina lenços que são levados pelo vento e voltam para dar novo alento. Entre as miudezas de uma bolsa ocasional o celular de última geração desbloqueado, carregado e tão estimado fala … Continuar lendo Poema Fora de Moda

O fotógrafo virtual

O fotógrafo virtual Gilda E. Kluppel   Um fotógrafo e praticante de surf, após superar uma grave doença, aventura-se em regiões de conflito no Oriente Médio. Apresenta fotos com ângulos incríveis, expostas em vários meios de comunicação, no Brasil e também em outros países, munido da suposta boa intenção de alertar a sociedade para o horror da guerra. Diante desse cativante percurso de vida, possuía … Continuar lendo O fotógrafo virtual

Convivendo com a timidez

Convivendo com a timidez Gilda E. Kluppel   Dos tempos de escola, as marcantes lembranças. Não por um mero acaso ainda recordo, enquanto criança, a professora, a pretexto de ajudar o corpo discente a superar as suas dificuldades, depois de uma longa explanação sobre a coragem em assumir os próprios “defeitos”, conclama os alunos para a frente da turma. O objetivo: os colegas apontarem as … Continuar lendo Convivendo com a timidez

Nunca me sonharam

Gilda E. Kluppel   Desperta a atenção o depoimento do jovem estudante de escola pública da cidade de Nova Olinda, interior do Ceará, sobretudo pela estonteante frase, um verdadeiro desabafo poético: “nunca me sonharam”. A expressão marcante, dita em um depoimento para o documentário de Cacau Rhoden, que recebeu a frase como título, permite algumas reflexões. Qual o sentimento de um estudante, quando os pais … Continuar lendo Nunca me sonharam

O chapéu violeta

O chapéu violeta Gilda E. Kluppel Há alguns anos recebi uma mensagem, daquelas enviadas por e-mail em formato de powerpoint, que relatava a mulher em várias fases da vida. E em cada fase sempre existia uma preocupação relativa à aparência. Contudo, na terceira idade, a aparência não causa mais incômodo, visto que basta colocar o chapéu violeta e sair para se divertir. Assim, depois de … Continuar lendo O chapéu violeta

Procura-se um herói

Gilda E. Kluppel Quantos são aqueles que buscam ansiosamente pelo aparecimento de um herói para libertá-los do mal. E como são admiradas as pessoas que se encaixam no perfil de salvador ou salvadora. Afinal, possuir as respostas prontas, na ponta da língua, para todas as perguntas, pode demonstrar força e uma convicção inabalável. Munidos de um receituário de “certezas”, o caminho está aberto. Contudo, a … Continuar lendo Procura-se um herói

Enciclopédia, a internet do passado

Enciclopédia, a internet do passado Gilda E. Kluppel   Considerado o melhor presente, que os pais poderiam oferecer aos filhos, as enciclopédias, outrora símbolo de investimento em educação, hoje estão encostadas em um canto qualquer da estante, apenas acumulando poeira. Será que os mais jovens lembram-se da existência das enciclopédias? Alguns ainda folheiam as suas páginas para realizar trabalhos escolares ou, junto com o papel … Continuar lendo Enciclopédia, a internet do passado

Bêbada de Elegância

Bêbada de Elegância Gilda E. Kluppel   Feriadão, bar à beira da praia. O pessoal à vontade bebendo água de coco, suco e cerveja. Algumas cervejas a mais do limite, a fala começa a titubear com o tom da voz cada vez mais alto. Um grito vem de uma mesa no centro do bar: “Eu tenho muita elegança”, a palavra proferida deste modo, não elegância, … Continuar lendo Bêbada de Elegância

Em tempos de pós-verdade

Gilda E. Kluppel Eleita, ano passado, a “Palavra do Ano” pelo Dicionário Oxford, pós-verdade converte-se numa palavra síntese para expressar, segundo o dicionário inglês, que “apelos à emoção e à crença pessoal” possuem maior relevância para formar opiniões do que fatos objetivos. Esse termo ainda não consta em dicionários da língua portuguesa, contudo se torna frequente o uso em muitas publicações. Uma expressão que soa … Continuar lendo Em tempos de pós-verdade

Enquanto calam a inocência

Gilda E. Kluppel Não que seja indiscreta, mas não pude deixar de ouvir, até porque a mulher falava em tom alto, tecendo elogios às duas crianças, que aguardavam a mãe do lado de fora do vestiário de uma loja. Ela dizia para as crianças o quanto eram parecidas com as fotos de seus netos, os quais não via há muito tempo por residirem em outro … Continuar lendo Enquanto calam a inocência

Avenida Paulista

Avenida Paulista Gilda E. Kluppel   Soberana reina no alto da cidade com entardecer inigualável composto de reflexos e cores de tom cinza azulado. Uma estação de brigadeiro vestida de verde aguarda os visitantes muitos trabalhadores apressados alguns robotizados e turistas deslumbrados. Poesia existe em seus contornos e entornos ou no espaço reservado a casa chamada das Rosas que insiste em se impor diante de … Continuar lendo Avenida Paulista

O colecionador de gafes

Gilda E. Kluppel Quem nunca cometeu um deslize ao fazer um comentário impertinente? Depois vêm o embaraço e aquela sensação de mal-estar. Estamos, também, sujeitos às gafes do corretor ortográfico do WattsApp, sempre apressado em antecipar as palavras, colocando termos com sentido completamente diferente do que desejamos. Contudo, existem pessoas com maior predisposição em cometê-las, talvez seja o caso dos mais afoitos ao falar, quando … Continuar lendo O colecionador de gafes

Quinze minutos de fama

Ao notar que o culto à celebridade é grande, nutre a certeza de que basta apenas a aparência, dispensa desenvolver um talento ou uma habilidade. Logo, poderia surgir uma nova oportunidade a qualquer momento. Para tanto, monta estratégias, forjando imagens e situações, tais como namorar um jogador de futebol ou um ator famoso, discutir com alguém que possua alguma notoriedade também pode acarretar uma nota, em uma revista ou um blog de fofocas. Continuar lendo Quinze minutos de fama