Setembro

copocafe

Gilberto da Silva

Setembro chega com o sabor de um café amargo. O inverno ainda teima em crepúsculo a doer os ossos e esfriar as consciências. Logo, as flores dos jardins estarão mostrando suas belezas. Mas ainda restam as incertezas.

Os filhos do Brasil estarão com suas relações ainda estremecidas. As rosas ainda teimam em pensar que são rosas os cravos vermelhos, os lírios nos campos querem de todo jeito que as dálias florescem como eles. E nós? Como nós pensamos neles e com eles? Não: pensamos apenas como nós e o que eles seriam se fossem nós.

Setembro é para lembrar Neruda: “Podem cortar todas as flores, mas não podem deter a primavera” morto pela angústia de suportar uma ditadura e por ver a democracia morta.

Época em que a democracia sai para almoçar e não volta.

Setembro negro. Setembro vermelho: siga seu coração. Setembro colorido com suas flores desabrochando.

Sigamos pelas frentes abertas, pelos campos em flor.

Anúncios


Categorias:Notas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: