Como um Coach pode ajudar os jovens na etapa pré-vestibular


por Vivian Rio Stella*

Direito, Engenharia, Medicina. Quando o estudante em fase pré-vestibular menciona que fará ou pensa em fazer um desses cursos, os pais, geralmente, se enchem de orgulho. Por mais que saibam que passar nesses vestibulares será tarefa árdua, dada a grande concorrência, que as mensalidades em faculdades particulares desses cursos são altíssimas e que qualquer carreira exige muita dedicação, escolher uma profissão com certo prestígio social tranquiliza os pais e, até mesmo, os filhos.

Mas e se o estudante quer cursar Cinema, Física, História, Letras? Ou se ele está no terceiro ano do ensino médio e ainda não sabe ao certo que curso prestar no vestibular? Há, claro, pais que apoiariam a escolha por carreiras menos prestigiadas socialmente (que podem trazer igual ou maior sucesso que as demais), mas não é incomum, nesse cenário, os pais darem conselhos, orientarem a fazer (mais) um ano de cursinho “para pensar melhor” ou recorrerem a testes vocacionais. Recentemente, ouvi uma mãe, aflita com o fato de o filho querer fazer Artes, dizer, orgulhosa, que havia o aconselhado a cursar Marketing, porque há mais oportunidades no mercado de trabalho. Logo me perguntei: será que ela se perguntou se ele quer atuar no “mercado de trabalho” tal como ela o concebe? Será que esse aconselhamento realmente levou em consideração os talentos do filho ou as expectativas e os valores da mãe?

O que se percebe é que os pais, ao tentar minimizar possíveis fracassos e ajudar os filhos a ter sucesso, muitas vezes rápido, não olham para os próprios filhos, mas sim para si mesmos. E não fazem isso por mal, claro que não, é por amor e zelo. Mas é preciso atentar-se para o fato de que, quando damos um conselho ou uma orientação para alguém, revelamos mais sobre nós mesmos (nossas crenças, anseios, expectativas, valores) do que sobre o outro. Outro ponto de atenção é lembrar de seu próprio cotidiano profissional, repleto de altos e baixos, o que significa que evitar que os filhos passem por dificuldades nesse momento de escolha não os livrará de enfrentar problemas na carreira.

Além disso, existem inúmeras carreiras novas e promissoras, especialmente às ligadas às redes sociais e à tecnologia (mas não só), que não dependem de uma graduação específica ou que não tem (ainda) status social. Por desconhecimento ou conservadorismo, muitos pais tendem a ver essas profissões com certo ceticismo e desconfiança, mas pode ser justamente em uma carreira diferenciada que seu filho pode se destacar e ser bem-sucedido. Cabe destacar também que, não raro, o curso de graduação não determina de forma contundente e definitiva uma carreira, basta ver as inúmeras histórias, por exemplo, de advogados que se tornaram donos de restaurante ou professores universitários. Em outras palavras, nada é definitivo quando se trata de carreira, por que seria o curso de graduação, a primeiríssima etapa dessa longa trajetória?

Diante desse cenários em que se misturam ansiedade, expectativa, sucesso e fracasso dos dois lados, o papel do Coach parece ser cada vez mais necessário, pois ele usa habilidades fundamentais para estabelecer a interação e a conexão com o jovem (seu Coachee): fazer perguntas poderosas, saber ouvir, estimular a autoaprendizagem e o autoconhecimento, traçar objetivos mensuráveis e atingíveis. E com um diferencial importante para o sucesso do processo de Coaching: sem julgamentos.
A imparcialidade que o Coach tem em seu trabalho é o que muitas vezes os pais não conseguem ter nesse momento de decisão do filho, decorrente do forte (e natural) laço afetivo-amoroso entre pais e filhos. Além disso, pelo distanciamento afetivo e pelo profissionalismo, o Coach é capaz de propor reflexões e lidar com respostas decorrentes de perguntas como: Com base em que você escolheu este curso? Qual a razão de sua incerteza? Quem você acha que está julgando a sua escolha por esse curso? Você quer dar a essa(s) pessoa esse poder? Como você imagina que será seu dia a dia ao atuar nessa profissão?

Por isso, ajudar realmente um estudante nessa fase pré-vestibular não é lhe dar conselhos, opiniões e direcionamentos ou fazê-lo passar por um teste vocacional. É preciso estimular a reflexão e o autoconhecimento, ouvir mais e evitar os julgamentos. São práticas aparentemente rotineiras, mas, na prática, muito desafiadoras, especialmente quando se trata da relação entre pais e filhos. Um profissional capacitado, portanto, pode ser útil nessa fase. A relação familiar será menos desgastada e conflituosa e os frutos do aprendizado do jovem no processo de Coaching serão colhidos não apenas nessa primeira escolha profissional, mas nas muitas outras que virão.
Vívian Rio Stella é professora, pesquisadora e sócia-fundadora da VRS Cursos, Palestras e Coaching. A especialista é graduada, doutora e pós-doutora em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e pós-doutoranda do grupo Atelier Linguagem e Trabalho, da PUC-SP.

Anúncios


Categorias:Notícias

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: