O unicórnio no jardim

Pedro Coimbra
Once upon a sunny morning a man who sat in a breakfast nook looked up from his scrambled eggs to see a white unicorn with a golden horn quietly cropping the roses in the garden. The man went up to the bedroom where his wife was still asleep and woke her. “There’s a unicorn in the garden,” he said. “Eating roses.” She opened one unfriendly eye and looked at him.

Era uma vez, numa manhã de sol, um homem que estava sentado à mesa tomando seu café da manhã. Num momento, ele olhou dos seus ovos mexidos para fora da casa e viu um unicórnio branco com um chifre de ouro calmamente comendo as rosas do jardim. O homem subiu para o quarto onde sua esposa ainda estava dormindo e a acordou. “Tem um unicórnio no jardim,” ele disse. “Comendo rosas.” Ela abriu um olho, não muito amigável, e olhou para ele.
O autor deste texto é James Thurber, que um dia, ao jogar “William Tell” com os irmãos perdeu a visão em um olho, quando uma flecha perfurou-o. Em última análise, ele viveria cego dos dois olhos, mas isso nunca o impediu de escrever ou desenhar. Criador de numerosos New Yorker caricaturas/ capa de revista, tornou-se  um dos maiores humoristas americanos do século 20, dono de inimitável prosa e amplitude de gêneros, incluindo contos, comentários moderna, ficção, fantasia infantil e letras.
Mas, por que diabos escrevo hoje sobre James Thurber?  A principal razão é que no meu primeiro livro escolar de Inglês, havia um texto sobre um unicórnio no jardim, talvez uma adaptação do original.
Minha professora era uma senhora de cabelos brancos, Dona Nair Paranaguá, casada com o também professor Tancredo Paranaguá, da Escola Superior de Agricultura  de Lavras (ESAL) e moravam perto do Hospital Vaz Monteiro, numa rua tranquila onde hoje alojam-se várias clínicas e consultórios médicos.
Foi ela quem primeiro percebeu minha dificuldade de ler o que ela escrevia no quadro negro e me disse que pedisse ao meu pai para me encaminhar ao oftalmologista.
Fiz o exame com o Dr. Geraldo Vilela, hoje octogenário, que detectou minha acentuada miopia e recomendou óculos de lentes esverdeadas.
Não me esqueço do dia que fui buscá-los na tradicional Joalheria Mesquita, na Rua Raul Soares e os coloquei pela primeira. Aquela “cangalha”, como diziam meus colegas, atrapalhava a prática de esportes, mas mudou minha vida que ficou nítida e clara.
Continuei com eles de diversas formas e tamanhos, t entei lentes de contatos e corri de operações corretivas até que tive que fazer uma em razão de um deslocamento de retina no olho direito.
Isso foi a mais de setes anos e agora o olho voltou a me incomodar, sinto que não estou enxergando nada na vista operada.
Espero que meu amigo de adolescência, Dr. Oto Metzger, grande médico das doenças dos olhos se recupere de um problema médico que o atingiu e possa me examinar. E conversarmos assuntos diversos no seu consultório, como sempre fizemos…
            Tenho medo da cegueira, mesmo lembrando-me do Tio Zequinha, parente do meu pai, que já completamente sem visão saía da Avenida Vaz Monteiro e vinha até nossa casa no centro da cidade ou a casa da minha avó Maria do Rosário…
            Na verdade o que me apavora são episódios como o da cegueira temporária de Saulo de Tarso, o “vaso escolhido” por Jesus para a divulgação do Cristianismo.
            Ou em “Un chien andalou” um filme surrealista dirigido/escrito por Luis Buñuel e Salvador Dalí. A primeira cena mostra uma mulher que tem seu olho cortado por uma navalha por um homem.
Quem sabe nossa incapacidade de enxergar o tal unicórnio e outros seres fantásticos esteja ligada a luta em aceitarmos as coisas mais espirituais, acostumados que estamos a realidade que nos diz que pau é pau e pedra é pedra…


Categorias:Notícias

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: